Situado numa pequena ilha escarpada, no curso médio do rio Tejo, o Castelo de Almourol é um dos monumentos militares medievais mais emblemáticos e cenográficos da Reconquista, sendo, simultaneamente, um dos que melhor evoca a memória dos Templários no nosso país.

As origens da ocupação deste local são bastante antigas e, por isso mesmo, enigmáticas. Alguns autores referiram a possibilidade de aqui se ter instalado um primitivo reduto lusitano, ou pré-romano, posteriormente conquistado por estes, e com vagas de ocupação ao longo de toda a Alta Idade Média. Fosse como fosse, o certo é que em 1129, data da conquista deste ponto pelas tropas portuguesas, o castelo já existia e denominava-se Almorolan.

Entregue aos Templários, que então efectivavam o povoamento entre o Mondego e o Tejo, sendo mesmo os principais responsáveis pela defesa da capital, Coimbra, o castelo foi reedificado e assumiu as características arquitectónicas e artísticas essenciais, que ainda hoje se podem observar. Através de uma epígrafe, colocada sobre a porta principal, sabemos que a conclusão das obras deu-se em 1171, escassos dois anos após a grandiosa obra do Castelo de Tomar, mandada edificar por Gualdim Pais, cuja actividade construtiva à frente da Ordem, nas décadas de 60 e 70 do século XII, foi verdadeiramente surpreendente. São várias as características que unem ambos, numa mesma linha de arquitectura militar templária. Em termos planimétricos, a opção por uma disposição quadrangular dos espaços. Em altura, as altas muralhas, protegidas por nove torres circulares, adossadas, e a torre de menagem, verdadeiro centro nevrálgico de toda a estrutura.

Estas últimas características constituem dois dos elementos inovadores com que os Templários pautaram a sua arquitectura militar no nosso país. Com efeito, como deixou claro Mário Barroca, a torre de menagem é estranha aos castelos pré-românicos, aparecendo apenas no século XII e em Tomar, o principal reduto defensivo templário em Portugal (BARROCA, 2001, p.107). A torre de menagem do castelo de Almourol tinha três pisos e foi bastante modificada ao longo dos tempos, mas mantém ainda importantes vestígios originais, como a sapata, que nos dá a dimensão geral da estrutura. Por outro lado, também as muralhas com torreões adossados, normalmente providas de alambor, foram trazidas para o ocidente peninsular por esta Ordem, e vemo-las também aplicadas em Almourol.

Extinta a Ordem, e afastada a conjuntura reconquistadora que justificou a sua importância nos tempos medievais, o castelo de Almourol foi votado a um progressivo esquecimento, que o Romantismo veio alterar radicalmente. No século XIX, inserido no processo mental de busca e de revalorização da Idade Média, o castelo foi reinventado, à luz de um ideal romântico de medievalidade. Muitas das estruturas primitivas foram sacrificadas, em benefício de uma ideologia que pretendia fazer dos monumentos medievais mais emblemáticos verdadeiras obras-primas, sem paralelos na herança patrimonial. Data, desta altura, o coroamento uniforme de merlões e ameias, bem como numerosos outros elementos de índole essencialmente decorativa e muito pouco prática.

No século XX, o conjunto foi adaptado a Residência Oficial da República Portuguesa, aqui tendo lugar alguns importantes eventos do Estado Novo. O processo reinventivo, iniciado um século antes, foi definitivamente consumado por esta intervenção dos anos 40 e 50, consumando-se, assim, o fascínio que a cenografia de Almourol causou no longo Romantismo cultural e político português.

Fonte: IPPAR

Horas de Abertura

Segunda-Feira

10h-13h e 14h30-19h30

Terça-Feira

10h-13h e 14h30-19h30

Quarta-Feira

10h-13h e 14h30-19h30

Quinta-Feira

10h-13h e 14h30-19h30

Sexta-Feira

10h-13h e 14h30-19h30

Sábado

10h-13h e 14h30-19h30

Domingo

10h-13h e 14h30-19h30

Abertura 1 de maio a 30 de setembro: 2.ª a domingo De 1 de outubro de 30 de abril: 3.ª feira a domingo | Encerra – 2.ª feira (encerra nos dias 24, 25 e 31 de dezembro de 2016 e 2 de janeiro de 2017) Horário: 1 de novembro a 30 de janeiro: 10h às 13h; 14h30 às 17h Fevereiro: 10h às 13h; 14h30 às 17h30 1 de março a 31 de outubro: 10h às 13h; 14h30 às 19h30

Endereço

O Nosso Endereço:

PRAIA DO RIBATEJO - VILA NOVA DA BARQUINHA

GPS:

39.4620271, -8.383893299999954

planejar a minha rota

Reivindicar esta empresa

Se você for o proprietário desta empresa, sinta-se à vontade para usar as edições da comunidade para corrigir a sua listagem.

Listagem de Pedido

Deixe uma Avaliação

Seu nome aparecerá aqui. Você também pode usar um apelido.
Seu comentário aparecerá aqui.
Preço
Qualidade
Funcionários
Localização
Limpeza
A Publicar ...
A sua classificação foi enviada com sucesso
Por favor preencha todos os campos
Captcha check failed